Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
banner.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

Uma demonstração de força e unidade da oposição



Depois de doze anos de o mesmo grupo ganhar nada menos que seis eleições, três para o governo e três pela prefeitura do Recife, pela primeira vez teremos uma disputa mais dificultosa para o PSB de Pernambuco, cuja hegemonia foi construída por Eduardo Campos ao longo dos sete anos que governou Pernambuco. Pelo menos foi o que se mostrou factível no ato da oposição no dia de ontem no Arcádia Paço Alfândega, que por sinal sempre foi o palco de importantes eventos do PSB no estado.

Os discursos foram bastante centrados no mote da mudança, mas passaram pelas críticas aos problemas do desemprego e da segurança pública. O discurso mais incisivo ficou a cargo do senador Fernando Bezerra Coelho, que assim como em Caruaru, fez duras críticas ao governo do PSB. Bruno Araújo, por sua vez, sublinhou o fato de o PSB ter votado maciçamente pelo impeachment mas como a indicação de Fernando Filho não atendeu aos anseios do partido a nível local, decidiu fazer oposição ao governo que o partido ajudou a colocar lá em Brasília.

Contando com a presença de dezenas de prefeitos, lideranças políticas de todas as regiões do estado, o ato foi estimado em duas mil pessoas, o que evidenciou um forte sentimento de lideranças no sentido de apostar num projeto que faça frente ao poderio do PSB. Quem acompanhou os anos de Eduardo lembra que ninguém ousava fazer um evento da magnitude do que foi realizado ontem.

Os discursos salientaram o fato de não ter posição definida no time, mas qualquer um jogará em todas as posições, isso foi enfatizado por Fernando Filho, Bruno Araújo, Armando Monteiro e Fernando Bezerra Coelho. Já o ministro da Educação Mendonça Filho, deixou claro que tem lado, e mostrou que não há, pelas suas palavras, qualquer chance de haver uma recomposição com o PSB, partido que o derrotou em 2006 com Eduardo e 2012 com Geraldo Julio, mas que ele apoiou em 2014.

A unidade da oposição tem como pano de fundo, mais do que o desejo de mudança, um poço de mágoas e ressentimentos com os atuais integrantes do Palácio do Campo das Princesas. O desejo de derrotar o PSB pareceu comum a João Lyra Neto, Joaquim Francisco, Bruno Araújo, Fernando Filho, Armando Monteiro, Mendonça Filho e Fernando Bezerra Coelho, que todos sem exceção já foram aliados do PSB, mas que hoje querem distância dos atuais comandantes do Palácio do Campo das Princesas. Diferentemente de outras eleições, a oposição está com a faca nos dentes para lutar contra Paulo Câmara em 2018.


0 visualização