Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
Camarao e cia.jpg
banner.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

SES alerta para o diagnóstico precoce da doença falciforme



Considerada uma das doença genéticas mais frequentes no mundo, com uma estimativa de que 300 mil crianças nasçam a cada ano, a doença falciforme representa um sério problema de saúde pública. Em Pernambuco, estima-se que a cada 1,4 mil crianças nascidas vivas, uma tenha a doença falciforme e a cada 23, uma seja identificada como portadora do traço falciforme - quando há transmissão parcial do gene, mas não há o desenvolvimento da enfermidade, sendo a forma mais comum e grave, a anemia falciforme.

Com isso, o tema ganha repercussão nesta quinta-feira (29.06), quando ocorreu no auditório da Secretaria Estadual de Saúde (SES), teleconferência para profissionais de saúde que atuam nas 12 Gerências Regionais de Saúde (Geres), unidades administrativas da secretaria. A iniciativa da Coordenação da Atenção à Saúde da População Negra e às Pessoas com Doença Falciforme é para debater a doença e a necessidade de um diagnóstico precoce para medidas profiláticas a fim de diminuir complicações clínicas da doença. As palestras sobre Clínica e Manejo e Urgência e Emergência serão ministradas pelos hematologistas Aderson Araújo e Alessandra Ferraz, da Fundação Hemope.

"Quanto mais precoce for o diagnóstico, melhor a qualidade de vida e maior sobrevida do paciente. O método diagnóstico mais eficaz para identificar a doença falciforme é a Triagem Neonatal, com a realização do Teste do Pezinho, que também é importante para detectar outras doenças. Todos os pais ou responsáveis têm o compromisso de levar o recém-nascido para fazer o exame. É imprescindível dizer que a criança apresenta, já nos primeiros anos de vida, manifestações e sintomas importantes", comenta a coordenadora de Atenção à Saúde da População Negra da SES, Miranete Arruda. Além do teste do pezinho, a realização da eletroforese da hemoglobina no pré natal é essencial para prestar assistência adequada à gestante face ao desenvolvimento de possíveis complicações na gravidez e no parto.

O teste do pezinho, que também detecta fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, fibrose cística e outras hemoglobinopatias, é um exame gratuito, simples, e não traz problemas de saúde para a criança. É realizado através da coleta de gotinhas de sangue do calcanhar do recém-nascido e deve ser feito de preferência entre o 3º (72 horas completas) e o 5º dia após o nascimento, em postos de coleta. Destaca-se a importância de após realizar o teste, apanhar seus resultados e seguir as orientações dos profissionais de saúde.

Em Pernambuco, uma média de 72% dos recém-nascidos passa por essa triagem, percentual que aumentou em relação a 2007, que tinha uma cobertura de 55%. Mesmo assim, 28% dos recém-nascidos ainda não chegam aos serviços de saúde para fazer o teste. Atualmente, a Rede de coleta do teste do pezinho possui 220 pontos ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) espalhados por 183 municípios pernambucanos (99,45%). (Fonte: Governo de Pernambuco)


0 visualização