IMG-20191213-WA0051.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

O "toma lá da cá" da inovação da politica brasileira nos anais da administração pública


A política brasileira está passando por um momento inovador, histórico, apreensivo e esperançoso.

Inovador e histórico porque não há registro nos anais da administração pública brasileira a montagem de um corpo ministerial sem que os partidos políticos tivessem a sua cota de indicação.

Muito embora alguns dos ministros sejam políticos, eles não foram indicados por partidos. Tanto é, que o próprio presidente da Câmara dos deputados tentou convencer a direção do DEM a emitir uma nota afirmando que os nomes indicados não foram indicação do partido.

Apreensivo porque não sei se como se comportará essas agremiações já que isso representa uma ruptura secular ondem o "toma lá da cá" era a moeda de convencimento para aprovação dos projetos de interesse da nação.

Tenho a plena convicção que não será uma mudança tão facilmente absorvida pois mesmo sabendo que houve uma renovação de cerca de 40% da bancada, esses novos deputados trazem o conceito da velha política brasileira.

Esperançoso porque quebra o elo de estrutura viciada onde os ministérios eram entregues a partidos políticos que colocavam pessoas com o intuito de promover uma roubalheira destinada aos interesses pessoais dos dirigentes partidários e dos coligados mais próximos.

É essa velha forma de indicação que nutre a corrupção podendo até ser dito que é o sêmen gerador de todo o processo.

Confesso que a apreensão é maior que a esperança pois essa gente não conhece algo diferente e talvez não aceitem perder a galinha dos ovos de ouro que os perduram na política.

Vivemos em uma República viciada pelos favores.

Trazemos em nós um traço hereditário dos primórdios da civilização pois foi recebendo presentes que os índios deixaram os portugueses se aproximar.

A semelhança histórica é que a população indígena quase foi dizimada e nós vivemos sob as chagas de uma nação onde a corrupção destroi lentamente nosso povo.


Escrito por Noeliton Costa de Sousa

12 visualizações