banner technobytes.jpeg
OTa2.jpg
LOGO MEGA.jpg
Banner Aveloz
  • Mikael Sampaio

Covid-19: Mais de 1 milhão de idosos tomaram 3ª dose em Pernambuco


Foto: Miva Filho/SES-PE

Pernambuco atingiu, nesta quinta-feira (07/04), a marca de mais de 1 milhão de idosos (60 anos e mais) vacinados com a terceira dose (primeira dose de reforço) da vacina contra a Covid-19 no Estado. Já são 1.001.690 pessoas dessa faixa etária, que são consideradas um dos principais grupos de risco para agravamento e óbito pela doença, imunizadas com a primeira dose de reforço contra o novo coronavírus, o que equivale a 80% de cobertura vacinal neste público. Com os novos números, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) volta a reforçar a importância da administração das doses de reforço em tempo oportuno e também convoca a população idosa a aderir também à campanha de vacinação contra a influenza.

"As doses de reforço são essenciais para alavancar a proteção garantida pelas vacinas, principalmente entre os idosos. Sabemos que o envelhecimento impacta diretamente no funcionamento do sistema imunológico, deixando o organismo mais suscetível a infecções e reduzindo a reposta vacinal. Por isso continuamos mobilizando todos os nossos esforços para aumentar as taxas de cobertura nesse público. A proteção mais robusta é fundamental para prevenir óbitos", reforça o secretário estadual de Saúde, André Longo. Segundo último levantamento da SES-PE, mais de 200 mil idosos estão com a terceira dose da vacina em atraso.

O gestor relembra, ainda, que os idosos que tomaram a terceira dose da vacina há mais de quatro meses já podem receber a quarta dose dos imunizantes para aumentar a proteção contra o vírus. "Os idosos e seus familiares e cuidadores devem ficar atentos ao período oportuno de aplicação da segunda dose de reforço. Oportunizando a proteção no tempo adequado, evitaremos bolsões de pessoas com esquemas incompletos e vulneráveis à doença", explica Longo.

INFLUENZA - Pernambuco iniciou, na última semana, duas importantes campanhas nacionais de vacinação que ocorrem de forma simultânea: a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza e a Campanha Nacional contra o Sarampo. Entre os públicos prioritários para a imunização contra a influenza está os idosos com mais de 60 anos (1.252.642 pessoas). O grupo está contemplado na primeira etapa da campanha, que segue até 2 de maio.

A vacina trivalente contra a influenza, utilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), é produzida pelo Instituto Butantan e será eficaz contra as cepas H1N1, H3N2, incluindo a cepa Darwin, e tipo B. A formulação é constantemente atualizada para que a dose seja efetiva na proteção contra as novas cepas do vírus. Historicamente, o período de sazonalidade das doenças respiratórias, onde se registra um maior número de ocorrências, é observado entre os meses de março e junho.

"É importante relembrar que o impacto da influenza A H3N2 provocada pela variante Darwin foi pior que a variante ômicron da Covid-19 em nosso Estado. Assim, a vacinação contra o vírus da influenza é fundamental para reduzir o número de internações e complicações pela gripe, especialmente, nos grupos mais vulneráveis, como as pessoas idosas, as crianças e as gestantes", pontua Longo.

Vale destacar que, como as campanhas de vacinação também coincidem com a realização da vacinação contra a Covid-19, para as pessoas idosas a recomendação é que, no momento da imunização, seja verificado se há dose em atraso da Covid-19. Se houver, os profissionais podem administrar a vacina da Covid-19 no mesmo dia da aplicação da vacina contra influenza

0 comentário