Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
banner.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

Consórcio Nordeste defende o lockdown para estados com mais de 80% de ocupação de leitos


Em boletim divulgado nesta terça-feira pelo Comitê Científico do Consórcio Nordeste, governadores são recomendados a aderir o lockdown quando “os números de leitos hospitalares tenham superado 80% de ocupação e, ao mesmo tempo, a curva de casos e de óbitos seja ascendente”. Atualmente, Pernambuco possui 99% dos seus leitos de UTIs estaduais e 88% de suas enfermarias em utilização.


De acordo com o documento, um dos motivos que justifica a adoção desta medida é o crescimento de números de caso no interior do Nordeste. No dia 04 de maio, 874 municípios nordestinos (49%) já tinham casos confirmados de COVID-19, o que corresponde ao dobro de municípios em relação ao dia 24 de abril. “O lockdown é eficaz para reduzir a curva de casos e dar tempo para reorganização do sistema. É sabido que países que o implementaram, conseguiram sair mais rápido do momento mais crítico”, diz o boletim.


No boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) nesta terça-feira, a pasta sinalizou a ocupação média de 93% em leitos totais, sendo 99% nas UTIs e 88% nas enfermarias. Ao todo, 888 leitos são oferecidos para quadros graves da Covid-19 em unidades de saúde pública, sendo divididos em 437 UTIs e 451 enfermarias com suporte de oxigênio. O secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, afirmou que há fila de espera por leitos de UTI na rede estadual, que pode chegar a 120 pessoas.

Pernambuco afirma estar ciente sobre os alertas. “Esta é uma recomendação, o que estamos fazendo é avaliar o dia a dia do estado e tomando medidas necessárias para a contenção do vírus. Pernambuco já vem tomando providências severas quanto ao isolamento, mas não descartamos a possibilidade de ampliá-las”, diz a assessoria de comunicação do Estado.


Lockdown

Segundo o Ministério da Saúde, lockdown é o “nível mais alto de segurança e que pode ser necessário em situação de grave ameaça ao sistema de saúde”. Ele nada mais é do que um agravamento do estado de quarentena, onde todas as entradas, saídas e fronteiras da região que adotou a medida, são restringidas e vigiadas por agentes de segurança. Durante o período, apenas trabalhadores essenciais têm a permissão de entrar ou sair da área isolada.


“Num lockdown todas as entradas do perímetro determinado são bloqueadas por profissionais de segurança e ninguém deve ter permissão de entrar ou sair sem justificativa plausível. Importante considerar, portanto, que a decretação de lockdown deverá ser feita em comum acordo com demais forças políticas e de segurança, sendo necessário, para isso, o envolvimento das forças armadas e polícias estaduais”, diz o Consórcio Nordeste.

Por Diario de Pernambuco

0 visualização