IMG-20191213-WA0051.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

Com poucos recursos, Bolsonaro enfrenta limitações na pré-campanha



Mesmo antes do início oficial da corrida ao Planalto, aliados do pré-candidato pelo PSL, Jair Bolsonaro, admitem limitações pelo escassos recursos financeiros.

Por enquanto, Bolsonaro planeja gastar R$ 1 milhão na disputa. Não fala se sairá do próprio bolso. O valor, no entanto, pode mudar a depender de outros fatores como as doações.

Mesmo se o valor disponível aumentar, o candidato começará muito atrás de adversários de legendas mais estruturadas. O PSDB, de Geraldo Alckmin, por exemplo, promete desembolsar R$ 70 milhões para o tucano, limite de gasto permitido para campanha presidencial.

Já o PSL, de Bolsonaro, fala que destinará “pouca ou nenhuma” verba para o militar gastar no pleito.

Com recursos insipientes, poucas alianças a siglas maiores e uma equipe reduzida de assessoramento, o militar enfrenta obstáculos.

Um dos coordenadores da campanha e filho do capitão, o também deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) admite que o pai atua como cabeça do próprio pleito, cuidando de assuntos cotidianos, como compromissos da agenda.

Eis outras limitações enfrentadas pelo militar atualmente:

  • deslocamento: o capitão só usa avião de carreira. Na semana passada, levou 16 horas para ir a Roraima. Fez diversas conexões: Brasília➡São Paulo➡Manaus➡Boa Vista;

  • propaganda: ainda não tem marqueteiro. Aliados falam em fazer as gravações da propaganda eleitoral por conta própria. “Gravamos com o celular o processo para colocar depois na internet”, relatou ao Poder360 o deputado Major Olímpio (PSL-SP);

  • comunicação: com uma equipe de imprensa reduzida, Bolsonaro acredita na vitória usando as mídias sociais;

  • media training: o deputado não faz treinamento para os debates na TV ou entrevistas, diz sua assessoria. Aconselhado por amigos, tem procurado usar 1 discurso mais afável;

  • Norte-Nordeste: dos 8 deputados do PSL, nenhum é eleito pelas regiões Norte e Nordeste. O pré-candidato pretende intensificar as visitas a essas localidades em maio e junho.

DE ONDE VEM O DINHEIRO

Com a proibição de doações de empresas, as campanhas deste ano terão 4 formas principais de financiamento: fundo eleitoral, fundo partidário, doações de pessoas físicas e autofinanciamento.

Bolsonaro diz que não utilizará recursos do fundo eleitoral, aprovado pelo Congresso em 2017. O militar votou contra a criação da verba.

Sem recursos do PSL e pouco caixa inicial, a saída seria apostar em doações individuais. Oficialmente, o partido afirma que ainda não definiu se usará a vaquinha virtual –o chamado crowdfunding. O período para esse tipo de coleta começa em 15 de maio.

Aliados falam, no entanto, que esse será o principal meio para estruturar financeiramente sua disputa. O PSL nega a formação de alianças para reforçar o caixa de campanha.

O próprio Bolsonaro havia falado que não deverá se licenciar de seu mandato como deputado federal por questões financeiras.

“Não pretendo me licenciar. Vou viver como? Não tenho dinheiro para nada. Vou cumprir o mínimo de presença na Câmara. É 1 direito meu”, disse em abril para o Poder360. “Me preparei para fazer campanha com R$ 1 milhão. Não preciso mais do que isso. Vou de avião de carreira, sempre dormi na casa de amigos ou hotel 3 estrelas. Como cachorro quente”.

Mesmo com poucos recursos, Bolsonaro aparece à frente de pesquisas de intenção de voto em cenários sem Lula (PT). Também é 1 dos pré-candidatos que mais têm rodado o Brasil durante a pré-campanha. A conta é que ainda não passou por apenas 7 Estados, como Bahia, Sergipe e Acre.

O militar e seus aliados também se aproveitarão do discurso de superação. “Faremos a campanha dele com a vontade e certeza de que ganharemos. Trabalharemos com o pouco que tiver. Será 1 Davi contra diversos Golias”, disse o novo presidente do PSL, Gustavo Bebiano, numa referência bíblica.

POSSÍVEIS VICES

O senador Magno Malta (PR-ES) continua sendo a 1ª opção do PSL para compor chapa com Bolsonaro. A sigla, no entanto, ainda não fez 1 convite formal de aliança com o PR.

Ainda que menos forte, outro nome apontado é o da advogada Janaina Paschoal. A efusiva advogada e professora da USP, estrela do impeachment de Dilma Rousseff, está filiada ao mesmo partido de Bolsonaro, o PSL. Janaína chamou atenção por seus discursos inflamados na época. Se ela for a escolhida e aceitar, não haverá óbices legais.

Há no time de Bolsonaro quem prefira 1 vice que atenue o discurso do candidato. Por exemplo, algum grande empresário identificado como moderado. Esse nome ainda não existe, apesar de muitos industriais e banqueiros hoje já falarem com entusiasmo sobre apoiar o candidato do PSL.

#Bolsonaro

0 visualização