Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
banner.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

Com o programa Avançar governo vai investir R$ 7 bilhões em saneamento no próximo ano



O programa Avançar Cidades – Saneamento deve investir, em 2018, cerca de R$ 7 bilhões em obras de saneamento em todo o País. De acordo com o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, em entrevista ao programa de rádio Por Dentro do Governo, uma das metas do Governo do Brasil para o próximo ano é levar tratamento de água e esgoto ao máximo de municípios possíveis, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste do Brasil.

O ministro afirma que os investimentos serão “expressivos” na área de saneamento ambiental e comentou ainda uma potencial mudança na legislação a fim de facilitar a captação de recursos pelos municípios. “Temos o desafio enorme de levar saneamento a todas as famílias. O governo federal lançou o programa Avançar Cidades – Saneamento para que os municípios possam captar recursos e investir nos planos e projetos de saneamento”, explica.

Habitação

Os esforços para melhorar a vida da população brasileira, em especial das famílias de baixa renda, também foram expressivos com relação à retomada do programa Minha Casa Minha Vida, que, segundo Baldy, regularizou as dívidas com empresas construtoras e voltou a contratar pela Faixa 1, voltada a famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil.

“Em 2015 e 2016, as contratações da Faixa 1 foram praticamente suspensas e, este ano, já foram disponibilizadas 100 mil unidades no sistema de contratação. Esperamos conseguir chegar, em 2018, a todos que efetivamente precisam desse programa”, disse.

Baldy também destacou o programa Cartão Reforma como meio para melhorar a qualidade de vida e habitação das pessoas de baixa renda. Segundo o ministro, o programa deve receber, no próximo ano, investimentos da ordem de R$ 1 bilhão. “Todos os municípios que estiverem dentro das condições regulamentares do Cartão Reforma poderão participar. Nosso objetivo é, em 2018, atender aproximadamente 150 mil famílias”, disse.


0 visualização