Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
banner.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

Brasil envia remédio contra raiva à República Dominicana



O Ministério da Saúde doou 120 comprimidos para combater a raiva humana na República Dominicana. A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) encaminhou o pedido urgente ao Brasil depois que uma criança de dois anos sofreu um ataque de um animal.

A quantidade enviada cobre todo o tratamento da criança por cinco meses, considerando o peso do paciente e a quantidade de comprimidos na caixa. O remédio consta da Relação Nacional de Medicamentos (RENAME).

A raiva pode levar à morte em quase 100% dos casos de infecção viral e é transmitida pela saliva de mamíferos contaminados. O vírus ataca o sistema nervoso, por isso sua gravidade.

O envio e transporte do remédio ficou a cargo da Opas, o que possibilitou o início do tratamento nessa segunda (16).

Cooperação

A doação dos comprimidos à República Dominicana faz parte da cooperação técnica entre o Brasil e a OPAS. Por meio desse acordo, a OPAS busca colaborar com o Brasil no atendimento às demandas de saúde da população. A cooperação também permite o intercâmbio de experiências bem-sucedidas do Sistema Único de Saúde com outros países, buscando fortalecer a cooperação sul-sul do setor.

Em junho deste ano, por exemplo, o Ministério da Saúde doou 15 mil doses de vacinas contra raiva humana ao Haiti para proteger pessoas que foram expostas à doença. A doação teve o apoio do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa da Organização Pan-Americana da Saúde (Panaftosa/OPAS)

O Panaftosa é um centro especializado da OPAS e da Organização Mundia de Saúde (OMS). Criado em 1951, em um acordo entre a Organização dos Estados Americanos (OEA) e o Governo do Brasil, ele é subordinado à OPAS/OMS como um centro internacional de apoio científico-técnico para os países das Américas.

A iniciativa lidera os esforços regionais, iniciados em 1983, para erradicar a raiva humana transmitida pelo cão. Desde então, segundo a OPAS, a incidência da raiva humana de origem canina na região diminuiu em mais de 90%, devido aos programas de vacinação em massa implementados pelos países.


0 visualização