banner technobytes.jpeg
OTa2.jpg
LOGO MEGA.jpg
Banner Aveloz
  • Mikael Sampaio

Bolsonaro está sensibilizado e emotivo, diz Bebianno



Gustavo Bebianno, braço-direito do candidato à Presidência do PSL, Jair Bolsonaro, afirmou que o político ainda não está falando sobre política e que está muito emotivo.

"Às vezes, quando passa algo na televisão, alguma cena da facada, ele se comove muito. Ele está muito sensibilizado, assim como qualquer ser humano normal que fica face a face com a morte", disse Bebianno, que também é presidente do partido do capitão reformado, ao chegar ao hospital Albert Einstein, em São Paulo, nesta terça (11).

"A expectativa é de que mais dois ou três dias, se ele se sentir melhor, faça um videozinho curto agradecendo ao apoio que que ele teve e agradecendo, mais uma vez, à equipe médica de Juiz de Fora que salvou, literalmente, a vida dele. E agradecendo ao banco de sangue, fazendo até uma campanha para que as pessoas doem sangue. Ele perdeu quase 40% do sangue e, graças a doação que ele recebeu, ele se manteve vivo", disse Bebianno.

Bolsonaro foi internado no Albert Einstein depois de ser atacado com uma faca durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), na quinta (6). No dia do crime, o candidato foi rapidamente atendido na Santa Casa da cidade, onde se submeteu a uma cirurgia. No dia seguinte, foi transferido para São Paulo.

RACISMO

Para Bebianno, foi correta a decisão do Supremo Tribunal Federal de rejeitar a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra Bolsonaro, que foi acusado do crime de racismo em relação a quilombolas e refugiados.

"É um absurdo aquele tipo de denúncia. Pela primeira vez na história alguém faz um comentário de que alguém está acima do peso e é acusado de racismo. Inclusive o Paulo Quilombola, presidente da Confederação Brasileira de Quilombolas, é amigo pessoal do Jair e gosta muito dele", disse.

"STF deu uma prova de equilíbrio reconhecimento que o oferecimento da denúncia da senhora Raquel Dodge não tinha nenhum fundamento."

Segundo Bebianno, é "um problema a menos nesse momento de dificuldade", apesar de afirmar que a equipe de Bolsonaro não tinha preocupação com isso.

HOSPITAL

Bebianno disse ainda que a conta do hospital Albert Einstein deve ser paga pelo plano de saúde oferecido pela Câmara dos Deputados.

"Estamos conversando com a Câmara, o plano de saúde dele dá cobertura para qualquer um desses hospitais, e é por aí, pelo plano de saúde", disse.

Após ser atacado, Bolsonaro foi disputado por dois hospitais de ponta em São Paulo, o Albert Einstein e o Sírio-Libanês -venceu o primeiro.

Antes, Bolsonaro recebeu rápido atendimento na Santa Casa da cidade mineira, onde passou por uma cirurgia.

O capitão reformado, entretanto, não queria ser transferido para nenhuma das instituições particulares da capital paulista. Segundo Bebianno, a vontade de Bolsonaro era ser tratado no HCE (Hospital Central do Exército), no Rio de Janeiro.

"Nós dissemos para ele, naquele momento, que dentre as opções, seria ou o Sírio Libanês ou o Albert Einstein. E ele ficou muito contrariado porque a vida inteira ele se tratou no HCE. Inclusive, quando ele era paraquedista, ele sofreu um acidente grave num salto, quebrou os membros inferiores e superiores e ficou praticamente um ano de cama e foi para o HCE, se tratou no HCE", disse Bebianno.

"Ele é um homem coerente, muito firme, determinado, a gente teve que, como se diz, comer um dobrado para trazê-lo porque foi contra a vontade dele". Com informações da Folhapress.


0 comentário