Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
banner.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

Armando Monteiro parte para o ataque



Depois de percorrerem Petrolina, Caruaru e encerrarem no Recife o primeiro dia de campanha, os integrantes da chapa majoritáriada frente “Pernambuco Vai Mudar” subiram o tom contra o governador Paulo Câmara (PSB). O candidato ao governo, Armando Monteiro Neto (PTB), ressaltou a desaprovação à gestão do socialista, alegando que Paulo "tem perfil de auxiliar". Já o candidato ao Senado, Mendonça Filho (DEM), acusou o governador de “mentir” sobre o tratamento dado a Pernambuco na passagem do democrata pelo Ministério da Educação (MEC). O petebista realizou toda a sua agenda, ontem, acompanhado dos candidatos ao Senado, Mendonça Filho e Bruno Araújo (PSDB). O último compromisso, onde esteve ao lado da família, foi numa missa na igreja do Morro da Conceição. "Queremos traduzir essa disposição de olhar o Estado, de ter uma visão integradora do Estado", explicou o candidato. Indagado sobre a declaração de arrependimento que Paulo Câmara deu sobre ter apoiado o impeachment da ex-presidente Dilma, Armando pontuou que todos têm o direito de se arrepender. "É preciso que essa manifestação possa ser, aos olhos de todos, sincera e não uma mera recomendação do marketing", alegou. O senador voltou a dizer que a experiência de Paulo no governo foi ruim. "Paulo foi eleito em 2014 com 68% dos votos válidos. Hoje ele tem 30% da intenção de votos nominais (segundo pesquisa do Ipespe), isso significa dizer que ele perdeu mais da metade do capital que tinha. Eu tenho mais ou menos o capital que tinha e a campanha está começando. Não tem o que falar, a rejeição dele é grande, todas as pesquisas apontam a rejeição", disparou. O deputado Mendonça Filho, por outro lado, adotou um tom mais ácido. Pela manhã, em entrevista a uma rádio local, Paulo acusou os ministros de Pernambuco no Governo Temer, entre os quais Mendonça, de adotarem uma postura discriminatória com o Estado. "Investimos, como ministro da Educação, R$ 3 bilhões. Eu desafio o governador se ele quiser, amanhã, marcar comigo para fazer um comparativo, qualquer época da história do Brasil, que alguém tenha investido mais em educação do que a minha pessoa", disparou. "Não vou engolir mentira. Se ele quer ganhar a eleição, ganhe com práticas limpas e falando a verdade para o povo. Não sou moleque pra ouvir esse tipo de postura sórdida, covarde, de uma pessoa que quer se valer de uma impostura pra ganhar a candidatura ao governo, pendurado no pescoço de Lula”, disse Mendonça Filho.


0 visualização