Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
banner.jpg
IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
  • Facebook
  • Instagram
  • Mikael Sampaio

Alepe cria audiência pública para debater registros de feminicídio nesta quinta (5)



Por dia, uma média de 13 mulheres morre no Brasil. Os números alarmantes de assassinatos por motivação de gênero, contabilizados pelo Mapa da Violência 2015, provocaram a Assembleia Legislativa a promover debate sobre o tema no Dia Estadual de Combate ao Feminicídio. O encontro será realizado nesta quinta (5), às 14h, no auditório Ênio Guerra, localizado no 4º andar do Anexo I da Alepe.

A data, que reflete a necessidade de reprimir esse tipo de crime, foi instituída em 2017, por meio da Lei nº 16.196, originária de proposta da deputada Simone Santana (PSB). Segundo a parlamentar, que preside a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, a escolha do dia 5 de abril se deu em virtude do assassinato da fisioterapeuta pernambucana Mirella Sena – morta por um vizinho, há um ano, dentro do próprio apartamento.

A audiência pública, conforme salienta a deputada, é uma maneira de intensificar o debate sobre esse tipo de crime e provocar reflexões. “O assassinato de mulheres por motivação de gênero é uma realidade cultural e secular, mas a sociedade vem tomando conhecimento sobre suas causas, com a massificação das lutas das mulheres”, observa Simone Santana.


0 visualização