IMG-20191110-WA0069_edited.jpg
Camarao e cia.jpg
LOGO MEGA.jpg
Capture+_2020-02-03-18-40-35.png
  • Mikael Sampaio

À espera de um Clássico



As eleições de outubro em Pernambuco têm todos os ingredientes para ser um clássico, embora uma das postulantes ao governo do estado, a vereadora Marília Arraes (PT), sequer tenha garantida a sua candidatura. Mas sua eventual participação já movimenta a sucessão a um nível não imaginado, enquanto a disputa pelo Senado exibe um quinteto de retórica explosiva – Jarbas Vasconcelos (MDB), Humberto Costa (PT), Bruno Araújo (PSDB), Mendonça Filho (DEM) e Sílvio Costa (Avante) -, que não leva desaforos pra casa.

Os cinco são bem conhecidos, o que significa que se o eleitor escolher dentre eles dois dos três representantes do estado no Senado, ninguém estará votando enganado. Xingamentos à parte do tipo “vampiros”, “chefe de quadrilha”, “traidor”e “sanguessuga”, que marcaram pleitos passados, a ofensa dessa campanha é representar o palanque de Temer ou estar indevidamente no palanque de Lula.

Nesse sentido, porém, as duas principais chapas majoritárias, encabeçada pelo governador Paulo Câmara (PSB) e pelo senador Armando Monteiro (PTB), têm de tudo um pouco. Como diz Humberto “há golpistas em todos os palanques”. Agora, entre Paulo e Armando o que está pegando mesmo é a figura de Marília que, se não é um arrasa-quarteirão, é o novo desta eleição com coragem para desafiar velhos caciques dentro do seu próprio partido e sobretudo do PSB, onde deu seus primeiros passos na política.

Se ela disputar, tem-se como certa a sua participação no segundo turno; se não, o seu apoio terá um peso significativo para a vitória de Paulo ou de Armando; caso opte pela neutralidade, será uma decepção.